notícias da OA
-
Vasco da Câmara Pestana (1928 - 2015)
29.10.2015
Diplomado com 17 valores, pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, em 1955.

Trabalhou durante o curso na SUFIL/Sociedade de Urbanização e Fomento Lda, na Comissão das Construções Hospitalares do Ministério das Obras Públicas, na Junta de Colonização Interna do Ministério da Agricultura e exerceu funções docentes, como professor provisório, na Escola Técnica Elementar Eugénio dos Santos de Lisboa, no ano lectivo de 1951-1952.

De 1952 a 1954 presta serviço militar, passando à disponibilidade como tenente miliciano.

Em 1955 iniciou funções como arquitecto na Repartição de Arquitectura da Direcção de Serviços de Salubridade e Edificações da Câmara Municipal de Lisboa, sendo nomeado arquitecto do quadro em 1959, fazendo parte no ano seguinte do Júri do “Prémio Municipal de Arquitectura-Edificações -1959”.

Integrou a lista de peritos avaliadores da Direcção de Finanças do Distrito de Lisboa, solicitando em 1964 a demissão desse cargo, dado a sua actividade profissional não lhe permitir continuar a desempenhar as respectivas funções.

Em 1965 passou, a seu pedido, à situação de licença ilimitada de arquitecto da Câmara Municipal de Lisboa, ingressando no mesmo ano, nas “Habitações Económicas”-Federação de Caixas de Previdência, sendo em 1969 promovido a arquitecto-chefe.

Em 1970 frequentou o curso “Programação Arquitectónica de Edifícios” promovido pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil-LNEC/C116 FEV/MAR 70.

Em 1972, por extinção das “Habitações Económicas”-Federação de Caixas de Previdência, transitou para a Comissão dos Edifícios e Organismos Dependentes do Ministério das Corporações e Previdência Social, posteriormente denominada, em 1974, Comissão de Equipamentos Colectivos da Secretaria de Estado da Segurança Social.

Neste organismo, numa perspectiva de estudo e pesquisa, desenvolveu e participou no campo técnico-normativo na execução de documentos de trabalho, assim como na elaboração de projectos para a adaptação de edifícios existentes e construções de raiz de equipamentos para 1ª e 2ª Infância - creches e jardins de infância.

Integrou, em 1976, o grupo de trabalho constituido por elementos da CEC e da DGSU/Direcção Geral dos Serviços de Urbanização para a elaboração de um Projecto de Despacho Conjunto das respectivas Secretarias de Estado com vista a sua articulação ao nível de equipamentos colectivos.

Em 1977 é promovido a chefe de Divisão, participando como representante da CEC, em 1977-1978, no “Grupo de Trabalho de Equipamentos Colectivos” organizado pelo CEP/Centro de Estudos e Planeamento da Secretaria de Estado de Planeamento do Ministério das Finanças, visando reunir e ordenar critérios de programação adoptados nos sectores responsáveis pelos diversos equipamentos colectivos.

Participa em 1979 nos colóquios promovidos na FIL/JUVENTUS 79 apresentando duas comunicações - 1.Integração/associação de equipamentos complementares/participação das comunidades no respectivo processo - 2.Concepção dos espaços que constituem os equipamentos para a 1ª e 2ª Infãncia - acompanhadas de diapositivos dos projectos da Creche 3 e Jardim de Infãncia de Porto de Mós (realizado) e do Monte da Caparica-Plano Integrado de Almada, seguidas de debate.

No mesmo ano, no âmbito do GEDI/Gabinete de Estudos, Documentação e Informação da CEC participa na elaboração do documento “Proposta para um plano de estudos de equipamentos/instalações do sector da Segurança Social”.

Em 1981 foi indigitado, como Chefe de Divisão, para as funções de coordenador do NEP/Núcleo de Estudos e Normalização de Projectos, destacando-se dos trabalhos então executados, o documento de orientação normativa designado “Instruções para projectos de equipamentos colectivos - 1ª e 2ª Infância - Creches e Jardins de Infância” - doc.NEP E1/JUN 81.

Tendo optado pelo regime jurídico dos funcionários e agentes da Administração Pública, foi exonerado em 1982, a seu pedido de arquitecto da CML, na situação de licença ilimitada.

Em 1983 é nomeado Chefe de Divisão de Programas e Projectos do quadro da DGORH/Direcção Geral de Organização e Recursos Humanos da Secretaria de Estado da Segurança Social, passando a coordenar a elaboração de diversos estudos e projectos referentes a equipamentos, nomeadamente, creches, jardins de infãncia, centro de actividades de tempos livres, lares e centros de convívio.

Em 1984, precedendo concurso documental e discussão de trabalho apresentado para o efeito, é promovido à categoria de técnico assessor.

No mesmo ano, a solicitação do Presidente do Conselho Directivo do Departamento de Arquitectura da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, presta colaboração na organização do Curso/Seminário-S1- Equipamento Social.

Participa no LNEC no Seminário 308/84 “Fundamentos para uma normativa urbanística portuguesa” e, na DGORH nos cursos de “Técnicas de gestão”, “Tomada de decisão” e “Básico de informática”, respectivamente em 1985 e 1986.

Neste período de tempo, integra júris de concursos de provimento em lugares de ingresso e acesso do quadro do pessoal da DGORH, destacando-se o concurso para provimento, de vagas existententes, na categoria de técnico assessor.

Em 1986, solicita a aposentação ao abrigo da Lei nº9/86 de 30 de Abril, com a categoria de técnico asssesssor exercendo em comissão de serviço as funções de Chefe de Divisão.

Concedido o pedido formulado, passou a exercer em exclusivo a actividade em regime livre no seu próprio atelier.

Faleceu no passado dia 25 de Outubro de 2015, vítima de doença prolongada.



Subscrever E-Newsletter



 

BA

JA

mais

 

Encontre um Arquitecto
OA
OASRN OASRS HABITAR PORTUGAL IAP20 OAPIX CONHECER 1(-)1 CONGRESSO DOS ARQUITECTOS PORTAL DOS ARQUITECTOS
CAE CIALP DoCoMoMo FEPA UIA
Architects on business 2017